terça-feira, 30 de junho de 2015

Novo conselho de Educação

Tomará posse  nesta terça-feira  dia 30/06/2015, nas  dependências da  Secretaria de  Educação  o novo  Conselho de  Educação de Trombudo Central.
Através da  atuação destes conselheiros será possível  compartilhar as  normativas, deliberações  e as  consultas a  serem feitas  na área de  educação  e  pensar juntos os  rumos que a educação municipal deve  trilhar para respeitar deveres  e garantir direitos,  em especial o  de  construção de  conhecimento e garantia da aprendizagem.
Este  conselho  tem seu mandato  com duração de  dois anos. Exercício 2015  a 2017.





4 dicas para lidar com crianças difíceis

Ainda que alunos difíceis sejam apenas crianças reagindo a emoções que elas próprias não
 entendem e não conseguem controlar, permanecer calmo e não levar o mau comportamento 
como uma ofensa pessoal podem ser tarefas árduas para o professor. Meu conselho: 
é hora de recomeçar do zero.
Crianças agressivas ou defensivas costumam estar encobrindo alguma insegurança (foto: Google)
Crianças agressivas ou defensivas costumam estar encobrindo alguma insegurança (foto: Google)

Crianças “duronas” estão, normalmente, encobrindo algum tipo de sofrimento. Elas se defendem dessa dor erguendo paredes de proteção para evitar se sentirem rejeitadas. Entretanto, os esforços dos adultos para penetrar essas paredes costumam ser rejeitados através de linguagem, ações ou gestos ofensivos. Essas crianças são como bebês, incapazes de verbalizar a causa de seu desconforto – e que precisam desesperadamente de paciência, determinação e afeto, de professores ou familiares que se recusem a recuar. Aqui estão algumas formas de se conectar (ou reconectar) com estudantes que se fazem difíceis de gostar.
Expresse gratidão aos seus alunos difíceis
Por semanas seguidas, tente expressar algo de positivo para seus alunos difíceis todos os dias. Por mais desafiador que pareça, garanta que sua primeira interação com eles seja sempre acolhedora. Por exemplo, quando uma criança que chega constantemente atrasada e desinteressada aparecer, evite o impulso de ignorá-la ou repreendê-la. Ao invés disso, faça um comentário feliz por ela ter vindo. Por exemplo: “Eu estava esperando você chegar, que bom que veio! Bem vindo. Nós estamos corrigindo a tarefa de casa”.
Espere até que o resto da turma esteja ausente para então comentar sobre suas preocupações ou estipular consequências pelo mau comportamento. Mas faça-o de modo a demonstrar que se importa com o aluno, perguntando sobre o motivo do atraso, e não com irritação.
Use palavras de encorajamento todos os dias
Palavras de encorajamento mantém as crianças conectadas e motivadas em sala de aula. Abaixo estão dez exemplos. Encontre situações para introduzir ao menos alguns deles diariamente:
  • Isso foi muito bom!
  • Hoje, você se superou ao fazer _____________!
  • Eu fiquei muito impressionada quando você _____________.
  • Foi incrível ver você fazendo _________________.
  • Uau, você se esforçou muito nisso!
  • Você deve se orgulhar disso.
  • Essa tarefa não era fácil, mas você conseguiu.
  • Obrigada por cooperar.
  • Você me deixou muito feliz ao fazer ____________.
  • Parabéns!
Fale com seus alunos difíceis da mesma forma com que conversa com os mais comportados (foto: Google)
Fale com seus alunos difíceis da mesma forma com que conversa com os mais comportados (foto: Google)

Aja com seus alunos difíceis como age com seus melhores alunos
Quem é a criança mais comportada e motivada da classe? Quando você pensa nela, quais adjetivos lhe vêm em mente? Quando vocês interagem, quais comentários surgem naturalmente? Quando essa criança comete um erro, qual a sua reação? Por uma semana, tente agir da mesma forma com seus alunos mais difíceis e menos comportados.
Mande anotações positivas aos pais
Prepare um e-mail ou anotação em caderno que registre comportamentos positivos e outras conquistas da criança que você observou recentemente. Mostre o recado a ela antes de enviá-lo.
Mesmo se você não reparou em nenhum comportamento marcante, escreva uma mensagem positiva – como se a atitude que você está esperando já houvesse acontecido. Então, mostre o texto para a criança e pergunte a ela se acha que aquele é um bom momento para mandá-lo aos pais.

fonte  http://naescola.eduqa.me/crianca/4-dicas-para-lidar-com-criancas-dificeis/

PROJETO MORADIAS


Assim como a família, sua casa também é o primeiro ponto de referência da criança. Através do projeto moradias, ampliamos a noção de espaço que ela tem, e como cada criança traz consigo seus conceitos de casa/moradia, é preciso que ela conheça os diferentes tipos e nada mais prazeroso do que a forma lúdica na pratica, essa atividade chamou muito a atenção das crianças, fomos conhecer a casa de cada criança da turma das corujinhas, foi uma manhã de muita diversão.
Agradeço a nossa coordenadora Eni por participar do passeio e auxiliar no cuidado das crianças e ao motorista Márcio pela paciência.

Professora: Débora Ceolin.
Auxiliares: Janaina Jabs/Janete Alves.
Jardim I- Turma das corujinhas.
C.E.I Cinderela.


Aprendendo através do movimento.

As crianças do BII são propiciadas a desenvolver o domínio do corpo e a destreza através do movimento, eixo muito importante para a criança. Quando a criança tem espaço e liberdade para se movimentar, aprende a medir sua força e seus limites. Elas se exercitam até que o domínio da ação as impele ao próximo desafio. Nos primeiros anos de vida, ocorrem grandes mudanças em relação a tudo que se refere a capacidade de movimento.  E para o teórico Henri Wallon o movimento é a base da comunicação dos pequenos. A motricidade, portanto, tem um caráter pedagógico tanto pela qualidade do gesto como por sua representação.

Professora do BII Marinês Steuck
 
 

Cronograma de Formação para o mês de Julho/2015



Ensino  Fundamental
Data

local
Horário
21/07
Conselho de Classe


8h
Cada um em sua unidade  conforme  cronograma
7h 30 min
22/07
Formação: Mediação de conflitos
MINISTRANTE: PROFESSOR JORGE SCHEMES*
8h
CEB Arthur Bruno Jandt
7h 30 min
23/07
Pedagogia  da Cooperação
Palestrante Leonir Claudino
8h
CETRAG
Saída  do transporte 7h e 30 min centro.
Confirmar necessidade de transporte
Almoço no local  
24/07
Reunião administrativa e pedagógica

Formação  com as  coordenadoras
8h
CEB Arthur Bruno Jandt
7h e 30 min
Formação Educação Infantil
Data

Local

20/07
Proposta Curricular Educação Infantil
Rio do Sul
7h 30 min
Transporte para Rio do Sul
Convidada uma representante de cada CEI – integrante do Conselho Escolar
21/07
Proposta Curricular Educação Infantil
Rio do Sul



Merendeiras
Data

Local

24/07
Pedagogia  da Cooperação

Reaproveitamento Integral dos Alimentos,
CETRAG
Saída  do transporte 7h e 30 min centro.
Confirmar necessidade de transporte
Almoço no local  
30/07
Palestra Motivacional promovida pela AMAVI em parceria com a UNIMED, no período da tarde
Palestra  em Rio do Sul
 Participação Opcional
Transporte  às 12h 30 min



O Código do Debate de Ideias é o alicerce do processo de formação de pensadores, o segredo que fundamenta intelectos livres, destemidos, intrépidos, seguros, participativos. O Código que habilita a trabalhar em equipe, interagir, trocar experiências, romper o cerco da insegurança.

Trombudo Central, 30 de junho de 2015




CAPACITAÇÃO DE EDUCADORES


TEMA: INDISCIPLINA, BULLYING, ATO INFRACIONAL E MEDIAÇÃO DE CONFLITOS NA ESCOLA


MINISTRANTE: PROFESSOR JORGE SCHEMES*


Mini Currículo:Formação: Bacharel em Teologia com Ênfase em Grego e Hebraico. Licenciado em Pedagogia com Habilitação em Séries Iniciais e Administração Escolar. Licenciado em Ciências da Religião com Habilitação em Ensino Religioso. Pós-Graduado em Interdisciplinaridade e Metodologia do Ensino Superior. Pós-Graduado em Psicopedagogia Clínica e Institucional. Atuação Profissional: Técnico Pedagógico na Gerência de Educação de Joinville – GERED – Responsável pelo NEPRE, APOMT e APÓIA. Professor das disciplinas de Filosofia da Educação; História da Educação, Antropologia Cultural, Empreendedorismo, Educação e Conjuntura Política e Projetos Educacionais e Corporativos na FGG (Faculdade Guilherme Guimbala - ACE - Associação Catarinense de Ensino - Curso de Pedagogia). Professor de Religião no Instituto de Parapsicologia de Joinville. Professor de Ensino Religioso na Escola Pública Municipal Saul Sant'Ana de Oliveira Dias. Membro Conselheiro do COMEN e da CMAIDS (Conselho Municipal de Entorpecentes e Comissão Municipal de Prevenção e Controle de DST/AIDS). Membro da aliança:"Por Um Mundo Sem Tabaco", do INCA (Instituto Nacional do Câncer). Autor do Livro: "O Que Você Precisa Saber e Fazer Para Deixar de Fumar" - Editora DPL. Escritor e Palestrante.



1. TEMA:
Indisciplina, Bullying, Ato Infracional e Mediação de Conflitos na Escola.


2. JUSTIFICATIVA:
Considerando que atualmente a indisciplina no ambiente escolar, o fenômeno Bullying e o ato infracional são fatos concretos que interferem de maneira negativa no processo pedagógico; Considerando que a falta de limites não é apenas um problema que se manifesta na escola mas também nas famílias; Considerando que os profissionais da educação se sentem reféns da indisciplina e da violência manifestada pelo corpo discente; Considerando que o corpo docente e técnico administrativo da escola pode estar falhando nas abordagens de resolução de conflitos na escola; Considerando ainda que há uma má interpretação ou mesmo desconhecimento da sistemática proposta pelo Estatuto da Criança e do Adolescente nos casos de omissão da família e dos direitos e deveres previstos nesta Lei, faz-se necessário uma parada pedagógica para discutir e analisar tais questões e levantar possíveis alternativas de abordagem para tais problemas.


3. OBJETIVO GERAL:
Refletir sobre as possíveis causas da indisciplina, características do Bullying e dos Atos Infracionais no ambiente escolar e fornecer orientações práticas para a prevenção e a superação de tais fenômenos contemporâneos.


4. OBJETIVOS ESPECÍFICOS:1. Refletir sobre as possíveis causas da indisciplina na sala de aula e alternativas de superação dos conflitos na relação professor(a) aluno(a).
2. Entender a diferença entre indisciplina, Bullying e Ato Infracional.
3. Sistematizar um protocolo de ações para prevenção e atendimento em casos de indisciplina , Bullying e de Atos Infracionais.
4. Entender e aplicar as diretrizes do Estatuto da Criança e do Adolescente e outras legislações pertinentes na prática pedagógica cotidiana.
5. Refletir sobre as possibilidades da mediação de conflitos na escola como ferramenta de prevenção e superação da violência escolar.

5. PÚBLICO ALVO:
Professores, Orientadores, Supervisores e Gestores Escolares.

6. METODOLOGIA:1. Aula expositiva e dialogada.
2. Apresentações, seminário e fórum para debate.
3. Leituras e discussão de textos pertinentes ao tema.
4. Dinâmicas e reflexões.


7. RECURSOS DIDÁTICOS:
Textos, Multimídia, Internet, Slides, Blogs.

8. CRONOGRAMA/EMENTA
Proposta de Capacitação de 1o horas mais 04 horas de atividades de extensão, somando um total de 16 horas:

8.1 DIA/PERÍODO/TEMAS E ATIVIDADES:


-. O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) no contexto da relação professor x aluno – direitos e deveres.
2- Questionamentos sobre o ECA (atividade em pequenos grupos).
3- Socialização, debate e análise dos questionamentos sobre o ECA.
.4-. Conceituando disciplina e indisciplina.
5-. Os quatro focos da indisciplina (análise a auto-análise).
6-. Estudo de casos (atividade em pequenos grupos).

7-. Continuação do estudo de casos (atividade em pequenos grupos).
8-. Indisciplina, Bullying e Ato Infracional.
9-. Protocolo de Ações e Regimento Escolar.

.10-. Prevenção e mediação de conflitos na escola.
11-. Indicações de documentos e legislação.
12-. Formulação de um protocolo de ações.


Observação: A capacitação poderá ser realizada em todos os dias da semana, incluive no sábado e no domingo, com a possibilidade de ser realizada também no período noturno.


9. AVALIAÇÃO:
A avaliação será diagnóstica, processual, formativa, cumulativa e global, incluindo auto-avaliação reflexiva da participação do(a) aluno(a) no processo de construção do conhecimento. Se dará por meio de observação sistemática e anotações em instrumentos próprios para tal.


10. CARGA HORÁRIA:
10 horas mais 04 horas de atividades de extensão, somando um total de 14 horas.


11. REFERÊNCIAS BÁSICAS:Estatuto da Criança e do Adolescente - ECA.
Documentos e Legislação disponíveis em:
http://www.projetonepre.blogspot.com/

Outras indicações bibliográficas dadas durante a capacitação

Tem festa no arraiá!

Esta sequência didática trouxe muita diversão e aprendizado. Entre várias atividades como caça palavras, cruzadinha, e músicas, a partir de duas vassouras usadas os alunos do 2º ano do CEB Eginolf Bell,  foram desafiados a transformá-las em dois caipiras divertidos.
 Dando sentido a proposta de escrita, listaram o que precisariam, trouxeram os materiais e em grupos os meninos criaram o menino caipira, e as meninas a menina caipira.
Em duplas, registraram um nome engraçado, e entre todos os nomes sugeridos escolhemos os três mais engraçados. Em seguida, realizamos votação para escolha do nome dos caipiras, com a ajuda dos votos do 1º ano, registrados em uma tabela, usando a contagem de 5 em 5, explorando assim a contagem de diferentes maneiras.
Nossos caipiras: André dos Bois e Chiquinha Chorona do Manjericão foram nossos companheiros de sala durante estes dias,  e é claro nos divertiram muito no dia da festança. 

Profª Neide Ap. Fuechter Schweder


Turma Fundo do Mar

A Turma Fundo do mar (Pré) do CEI Menino Jesus construiu com a ajuda dos pais suas casas e posteriormente apresentaram para os colegas e explicaram como aconteceu o processo de montagem e que material utilizaram. Montamos uma maquete onde cada criança participou da pintura da mesma e instalaram suas casas compreendendo assim a importância de se ter onde morar. Quero agradecer a participação e compreensão dos pais que ajudaram no processo. O resultado ficou maravilhoso.
 
Professora Fabiana Croce
 

Higiene e saúde


A higiene foi tratada no projeto Identidade através de atividades lúdicas, entre elas banho imaginário,  histórias e música. Recebemos ainda a visita da amiguinha cabeça quadrada, que ficou feliz após ganhar os cuidados da Turma do ursinho, ela recebeu o nome de Judi. 
 
Professora Laura E. V. Prim
 

 

Incentivando a leitura e a escrita

Turma do 4ºano:

C.E. B Erica Hasse:

Professora: Lúcia Passaura Pereira:

Objetivo: Incentivar qualquer progresso apresentado pelo aluno, bem como elogiar qualquer demonstração interessante em sua produção de texto.

 Escrever hoje em dia já não é uma forma atrativa para os alunos, portanto devemos inovar com novas possibilidades para incentivá-los tanto a ler como escrever.
O nosso desafio enquanto mestre responsável pelos processos de ensino aprendizagem é criar situações para que permita o aluno a ter prazer em ler.Assim estaremos formando grandes leitores e escritores para uma nova sociedade.


segunda-feira, 29 de junho de 2015

AS HIPÓTESES DA ESCRITA

Mesmo antes de saber ler e escrever convencionalmente, a criança tem suas próprias idéias de como ler e escrever.
Ao compreendermos que a criança chega à escola trazendo muitos "saberes" sobre leitura e escrita, construídos a partir das suas vivências, estamos possibilitando que ela faça leituras e escritas segundo suas possibilidades e de acordo com os conhecimentos que foram construídos até aquele momento.
As pesquisas realizadas por Emília Ferreiro mostram-nos que a criança aprende a ler e a escrever porque é desafiada a confrontar suas hipóteses sobre leitura e escrita com outras possibilidades (convencionais) que serão oferecidas pelo professor.
As pesquisas de Emília Ferreiro e Ana Teberosky apontam para as hipóteses que a criança constrói neste processoEstas hipóteses estão descritas em seu livro ''A Psicogênese da Língua Escrita":           .

HIPÓTESE PRÉ-SIlÁBICA:
CARACTERÍSTICAS:

- Escrever e desenhar têm o mesmo significado;
- Não relaciona a escrita com a fala;
- Não diferencia letras de números;
- Reproduz traços típicos da escrita de forma desordenada;
Supõe que a palavra representa o objeto e não o seu nome;
- Acredita que coisas grandes têm um nome grande e coisas pequenas

Têm um nome pequeno (realismo nominal);
- Usa as letras do nome para escrever tudo;
- Não aceita que seja possível escrever e ler com menos de três letras;
- Leitura global: lê a palavra como um todo.

CONFLITOS VIVIDOS PELA CRIANÇA NESTA ETAPA:

- Que sinais-eu uso para escrever palavras?
- Conhecer o significado dos sinais escritos.

AVANÇOS:
- Diferenciar o desenho da escrita;
- Perceber as letras e seus sons;
Identificar e escrever o próprio nome;
Identificar o nome dos colegas;
- Perceber que usamos letras diferentes em diferentes posições.
ATIVIDADES FAVORÁVEIS:
- Desenhar e escrever o que desenhou;
Usar o nome em situações significativas: marcar atividades, objetos,
utilizá-Io em jogos, bilhetes, etc;
- Ouvir leitura feita diária pela professora e poder recontá-Ia;
- Ter contato com diferentes portadores de textos;
- Freqüentar a biblioteca, banca de jornais, elc;
- Reconhecer e ler o próprio nome em situações significativas: chamadas, jogos, etc;
- Conversar sobre a função da escrita;
- Utilizar letras móveis para pesquisar nomes, reproduzir o próprio nome ou dos amigos;
- Bingo de letras;
- Produção oral de histórias;
- Escrita espontânea;
- Textos coletivos tendo o professor como escriba;
Aumentar o repertório de letras;
- Leitura dos nomes das crianças da classe, quando isto for significativo.
- Comparar e relacionar palavras;
- Produzir textos de forma não convencional;
- Identificar personagens conhecidos a partir de seus nomes, ou escrever seus nomes de acordo com sua possibilidade;
- Recitar textos memorizados: parlendas, poemas, músicas, etc;
- Atividades em que seja preciso reconhecer a letra inicial e a letra final;
Atividades que apontem para a variação da quantidade de letras;
- Completar palavras usando a letra inicial e final;
- Escrita de listas em que isto tenha significado: listar o que usamos na hora do lanche, o que tem numa festa de aniversário, etc.

HIPÓTESE SILÁBICA:CARACfERÍSTICAS:
- Para cada fonema, usa uma letra para representá-lo,
Pode, ou não, atribuir valor sonoro à letra.
Pode usar muitas letras para escrever e ao fazer a leitura, apontar uma letra para cada fonema.
Ao escrever frases, pode usar uma letra para cada palavra.
CONFLITOS VIVIDOS PELA CRIANÇA NESTA ETAPA:
- A escrita está vincula à pronúncia das partes da palavra?
- Como ajustar a escrita à fala?
- Qual a quantidade mínima de letras necessárias para se escrever?
AVANÇOS:
- Atribuir valor sonoro às letras.
- Aceitar que não é preciso muitas letras para se escrever, apenas o necessário para representar a fala.
- Perceber que palavras diferentes são escritas com letras em ordens diferentes.
ATIVIDADES FAVORÁVEIS:
- Todas as atividades do nível anterior.
Comparar e relacionar escritas de palavras diversas.
- Escrever pequenos textos memorizados (parlendas, poemas, músicas, trava-línguas...).
-Completar palavras com letras para evidenciar seu som: camelo =
c         m    l ou     a       e       o.
- Relacionar personagens a partir do nome escrito.
- Relacionar figura às palavras, através do reconhecimento da letra inicial.
-Ter contato com a escrita convencional em atividades significativas:
Reconhecer letras em um pequeno texto conhecido. Leitura de textos conhecidos.
- Relacionar textos memorizados com sua grafia.
-Cruzadinhas.
- Caça-palavras.
- Completar lacunas em textos e palavras.
       - Construir um dicionário ilustrado, desde que o tema seja significativo.

- Evidenciar rimas entre as palavras;
- Usar o alfabeto móvel para escritas significativas;
-Jogos variados para associar o desenho e seu nome;
Colocar letras em ordem alfabética;
- Contar a quantidade de palavras de uma frase.
SILÁBICO-ALFABETICO: CARACTERÍSTICAS

- Compreende que a escrita representa os sons da fala;
- Percebe a necessidade de mais de uma letra para a maioria das sílabas;
Reconhece o som das letras;
- Pode dar ênfase a escrita do som só das vogais ou só das consoantes:
bola= ao ou bl;
Atribui o valor do fonema em algumas letras: cabelo = kblo.
CONFLITOS VIVIDOS PELA CRIANÇA NESTA ETAPA:
- Como fazer a escrita dela ser lida por outras pessoas?
Como separar as palavras na escrita se isto não acontece na fala?
- Como adequar a escrita à quantidade mínima de caracteres?
AVANÇOS:
Usar mais de uma letra para representar o fonema quando necessário;
Atribuir o valor sonoro das letras.
ATIVIDADES FAVORÁVEIS:
- As mesmas do nível anterior;
- Separar as palavras de um texto memorizado;
- Generalizar os conhecimentos para escrever palavras que não conhece:
associar o "GA' do nome da "GABRlELA' para escrever "GAROTA', "GA VETA' ... ; Ditado de palavras conhecidas;
- Produzir pequenos textos;
Reescrever histórias.
ALFABÉTICO: CARACTERÍSTICAS

- Compreende a função social da escrita: comunicação;
- Conhece o valor sonoro de todas ou quase todas as letras;
- Apresenta estabilidade na escrita das palavras;
- Compreende que cada letra corresponde aos menores valores sonoros da sílaba;
Procura adequar a escrita à fala;
Faz leitura com ou sem imagem;
- Inicia preocupação com as questões ortográficas;
- Separa as palavras quando escreve frases;
- Produz textos de forma convencional.
CONFLITOS VIVIDOS PELA CRIANÇA NESTA ETAPA:
- Por que escrevemos de uma forma e falamos de outra?
Como distingüir letras, sílabas e frases?
- Como aprender as convenções da língua escrita?
AVANÇOS:
- Preocupação com as questões ortográficas e textuais (parágrafo e pontuação).
-Usar a letra cursiva.
ATMDADES FAVORÁVEIS:
- Todas as anteriores;
- Leituras diversas;
- Escrita de listas de palavras que apresentem as mesmas regularidades
ortográficas em momentos em que isto seja significativo;
- Atividades a partir de um texto: leitura, localização de palavras ou frases;
ordenar o texto;
-jogos diversos como bingo de letras e palavras; forca ...

https://www.google.com.br/search?sclient=psy-ab&biw=1366&bih=667&noj=1&q=Mesmo+antes+de+saber+ler+e+escrever+convencionalmente%2C+a+crian%C3%A7a+tem+suas+pr%C3%B3prias+id%C3%A9ias+de+como+ler+e+escrever.&oq=Mesmo+antes+de+saber+ler+e+escrever+convencionalmente%2C+a+crian%C3%A7a+tem+suas+pr%C3%B3prias+id%C3%A9ias+de+como+ler+e+escrever.&gs_l=serp.12...2763.10636.1.12245.25.9.0.0.0.1.394.1088.3-3.3.0....0...1c.1j2.64.serp..24.1.292.0.iup0gE-bJ6w ACESSADO EM 29 DE JUNHO DE 2015